Capítulo 4 – Gaélicos Isolados e Modernizados

Ver Sumário do Livro Nutrição e Degeneração Física.

Capítulo 4
Gaélicos Isolados e Modernizados

Há tempos contam-se histórias sobre a excelente saúde das pessoas que vivem nas ilhas das Hébridas Exteriores. A fumaça fluindo pelos telhados de palha de suas “casas negras” adicionou estranheza à descrição de sua vida doméstica e seu ambiente estranho. Essas histórias incluíam uma descrição de seus dentes admiravelmente bons, seus físicos robustos e caracteres fortes. Eles, consequentemente, fornecem um excelente ambiente para um estudo que jogue luz no problema da causa das cáries e da degeneração física moderna. Estas ilhas posicionam-se costa afora do noroeste da Escócia, estendendo-se até uma latitude quase tão ao norte quanto a parte sul da Groelândia. Uma visão típica de suas pequenas casas de telhado de palha pode ser vista na Fig. 5.

A Ilha de Lewis tem uma população de aproximadamente vinte mil pessoas, composta quase que exclusivamente de pescadores, arrendatários de terras e criadores de ovelhas. Esta ilha tem tão pouco calcário em seu solo que é dito não haver árvores em toda a ilha exceto por umas poucas que foram plantadas. A superfície da ilha é em grande parte coberta com turfa, variando em espessura de umas poucas polegadas (uns poucos centímetros) até vinte pés (seis metros). Este é o único combustível. A turfa contém as pequenas raízes da vida vegetal que cresceu muitos séculos atrás. Há tão pouco crescimento bacteriano que os produtos vegetais sofrem uma decomposição muito lenta. A pastagem da ilha é tão pobre que extremamente pouco gado é encontrado, em grande parte porque ele não se reproduz nem se desenvolve adequadamente. Em uns poucos distritos, encontra-se algum gado montanhês de pelo comprido desgrenhado e chifres bem abertos. Quase todos eles são importados. O principal rebanho de gado na ilha consiste de umas poucas dezenas de cabeças na fazenda experimental do governo.

Os alimentos básicos dos habitantes das ilhas são peixes e produtos de aveia, havendo um pouco de cevada. O grão da aveia é o único cereal que se desenvolve razoavelmente fácil e dele se obtém mingau e bolacha de aveia que em muitas casas são comidos de alguma forma regularmente com cada refeição. A pesca próximo às Hébridas Exteriores é especialmente favorável e pequenos frutos do mar, incluindo lagostas, caranguejos, ostras e moluscos são abundantes. Um alimento importante e altamente saboreado é cabeça de bacalhau cozida recheada com fígado de bacalhau picado e farinha de aveia.

O principal porto da Ilha de Lewis se chama Stornoway, que tem uma população fixada de aproximadamente quatro mil pessoas e uma população não fixada de marinheiros nos fins de semana em número igual ou maior. No domingo que passamos lá, foi dito que 450 grandes barcos de pesca estavam no porto para o fim de semana. Grandes quantidades de peixe são embaladas aqui para mercados externos. Essas robustas mulheres frequentemente trabalham de seis da manhã até dez da noite. A abundância de peixe faz o custo de vida ser muito baixo.

Figura 5. Uma típica “casa negra” da Ilha de Lewis deriva seu nome da fumaça da turfa queimada para aquecimento. O desenvolvimento físico esplêndido dos pescadores gaélicos nativos é caracterizado pelos excelentes dentes e pelos rostos e arcadas dentárias bem formados.

Na Fig. 5, pode-se ver três desses pescadores, com dentes de uma perfeição incomum. Nós os vimos nas bancadas de limpar peixes desde de manhã cedo até tarde da noite vestidos, como se pode ver na foto, em seus trajes impermeáveis e botas de borracha. Nós os encontramos de novo com suas roupas de domingo participando de modo importante na igreja principal. Seria difícil encontrar exemplo de mulheres combinando um maior grau de perfeição física e ideais mais elevados de que aquele dessas trabalhadoras forjadas pelo clima. Sua é uma terra de tempestades frequentes, frequentemente com neve ou ocultas em neblinas de frio penetrante. A vida é cheia de significado para pessoas que cresceram para aceitar como rotina diária os mares furiosos e nevascas penetrantes representativos da fúria acumulada do traiçoeiro Atlântico Norte. Pode-se ficar maravilhado com a gentileza, refinamento e doçura de caráter deles.

As pessoas vivem nas chamadas casas negras. São residências de telhado de palha com geralmente dois ou três quartos. As paredes são feitas de pedra e barro, normalmente com cinco pés (um metro e meio) de espessura. Existe, geralmente, uma lareira e chaminé, uma ou duas portas de entrada e muito poucas janelas na casa. A palha dos telhados desempenha um papel muito importante. Ela é trocada a cada outubro e a palha antiga é tida pelos nativos como tendo grande valor como um fertilizante especial para o solo devido a ela estar impregnada com compostos químicos obtidos da fumaça da turfa, fumaça que pode ser vista penetrando por toda parte do telhado em todas as estações do ano. O fogo da turfa é mantido queimando para este propósito específico mesmo quando calor não é necessário. Isto significa que enormes quantidades de turfa são necessárias para manter a fumaça contínua. Algumas das casas não têm chaminé porque é desejável que a fumaça deixe a casa pelo telhado de palha. Não é raro ver fumaça saindo por uma porta ou janela aberta. Felizmente a turfa é tão abundante que pode ser obtida facilmente das quantidades quase ilimitadas próximas. As ovelhas que vagam nas planícies cobertas de arbustos são de uma raça pequena de cara preta, exibindo grande resistência. Elas dão lã de uma qualidade especialmente alta, a qual, coincidentemente, é a fonte da famosa Harris Tweeds, que é tecida nessas pequenas casa negras principalmente na Ilha de Harris.

Nós estamos particularmente interessados com as pessoas de descendência escocesa antiga que possuam um físico que rivalize com aquele encontrado em quase qualquer lugar do mundo. Eles são descendentes da raça gaélica original a qual é sua língua hoje e a única que a maioria deles fala. Esta ilha tem somente uma entrada, o que quer dizer que a maior parte da linha da costa ainda fornece condições de vida primitivas assim como a parte central da ilha. Foi uma grande surpresa e certamente uma muito feliz encontrar tais tipos elevados de homens e mulheres como os que existem dentre os ocupantes desses lares rústicos de telhado de palha, geralmente localizados em áreas de planícies cobertas de arbustos e sem árvores. Seria difícil visualizar um isolamento mais completo para a vida infantil do que o que muitos desses lares oferecem e é possível maravilhar-se com o refinamento, inteligência e força de caráter dessas pessoas rústicas. Eles se ressentem, e eu acredito que justificadamente, com as referências críticas e desagradáveis feitas aos seus lares ao associar a eles o nome de “casas negras”. Muitas das quais visitamos eram decoradas artisticamente com papel de parede limpo e objetos pendurados improvisados.

Seria de esperar que em sua única cidade portuária, Stornoway, as coisas seriam alegres durante o fim de semana, se não turbulentas, com entre quatro e cinco mil pescadores e marinheiros em descanso em terra de sábado até a meia noite do domingo. Na tarde de sábado, as calçadas estavam lotadas com pessoas alegres despreocupadas, mas não se via tumulto nem bebidas. Sábado as pessoas iam aos montes às várias igrejas. Antes que os homens do mar entrassem a bordo de suas embarcações na tarde de domingo, eles se reuniam em grupos nas ruas e nos piers para cantar músicas religiosas e rezar por segurança na sua próxima expedição pesqueira. Não era possível comprar um selo, um postal, um jornal, chamar um táxi ou encontrar um local de diversão aberto no domingo. Todos têm reverência pelo dia do sabá na Ilha de Lewis. Toda atividade é feita subserviente em cumprimento ao dia do sabá. Em poucos locais do mundo os padrões morais são tão altos. É de se imaginar se os ventos gélidos que agitam o Atlântico Norte vindos dos nossos litorais de Labrador e da Groelândia não teriam temperado as almas dessas pessoas e criado neles altos níveis de nobreza e elevada expressão humana. Essas pessoas são o último posto da fronteira oeste do continente europeu.

Como se pode ver na Bretanha, na costa oeste da França, a floresta de pedra druídica pré-histórica marca uma civilização que existiu há tanto tempo no passado que não existem registros históricos sobre ela exceto em seus monumentos; assim, também, nós encontramos aqui a floresta de placas de granito na qual essas robustas almas pré-históricas veneravam suas divindades antes de serem empurradas até o mar pelas hordas que se moviam em direção oeste. Quando se percebe a distância que essas pesadas pedras tiveram de ser transportadas, uma distância de provavelmente vinte milhas (32 Km) por um terreno difícil, pode-se admirar a tarefa. Seu tamanho pode ser calculado pela profundidade com a qual elas devem ser enterradas de modo a se manterem eretas até os dias de hoje.

Nós estamos interessados primeiramente com o desenvolvimento físico das pessoas, e particularmente com sua imunidade à cárie dentária. Só é necessário vê-los carregando seus fardos de turfa ou observar a facilidade com a qual as mulheres que trabalham com peixes nas docas carregam seus baldes de peixe das mesas de limpeza até as fileiras de barris de armazenamento para se convencer que essas pessoas foram não somente treinadas para trabalhar mas têm físicos a altura da tarefa. Os estudos incluíram exames dentários, a tirada de fotografias, a obtenção de amostras de saliva para análise química, a obtenção de registros clínicos detalhados, a coleta de amostras de comida para análise química e obtenção de dados nutricionais detalhados.

A comunicação é muito difícil entre muitas dessas ilhas. Seria difícil encontrar um isolamento mais completo do que algumas delas proporcionam. Tentamos chegar até as ilhas de Taransay e Scarpa na costa oeste da Ilha de Harris, mas não conseguimos obter transporte já que a viagem só pode ser feita em embarcações especiais de alto mar, que podem garantir a passagem somente em certas fases da maré e em certas direções do vento. Em uma dessas ilhas, nos foi dito, os garotos e garotas em crescimento têm uma imunidade extremamente alta à cárie dentária. Seu isolamento era tão grande que uma jovem mulher de aproximadamente vinte anos que veio da Ilha de Taransay para a Ilha de Harris nunca tinha visto leite em quantidade maior do que gotas. Não existem animais leiteiros naquela ilha. Sua alimentação é suprida por produtos de aveia, peixes e por um número muito limitado de alimentos vegetais. Lagostas e peixes planos compreendem uma parte muito importante de seus alimentos. Frutas são praticamente desconhecidas. Ainda assim o físico dessas pessoas é excepcional.

Algumas vezes nos foi necessário contratar navegadores habilidosos e suas embarcações para fazer uma viagem especial para algumas dessas ilhas isoladas. Esses navegadores observam seriamente a maré, o vento e o céu e determinam o tempo em que é seguro viajar em uma certa direção sob as características existentes de velocidade da maré corrente e das mudanças periódicas do vento. Algumas das ilhas são isoladas por condições climáticas severas por muitos meses do ano.

Essas ilhas são importantes na indústria baleeira, mesmo nos anos recentes. Nós visitamos uma estação baleeira na Ilha de Harris, inativa no momento, onde monstros do mar eram arrastados até uma baía profunda.

No interior da Ilha de Lewis, os dentes dos garotos e garotas em crescimento tinham um grau muito alto de perfeição, em que somente 1,3 % dos dentes examinados já haviam sido atacado por cáries.

Uma parte importante do estudo dessas ilhas foram as observações feitas nas condições de fronteira com a civilização. Uma amostragem típica dos residentes da cidade portuária de Stornoway pode ser vista reunida nas docas para saudar a chegada do barco vespertino, o principal evento da comunidade. O grupo consiste em grande parte de jovens adultos. Em uma contagem de cem indivíduos aparentando idade entre vinte e quarenta anos, vinte e cinco já estavam usando dentes artificiais e outros tantos mais estariam melhor apresentáveis caso também estivessem usando. A cárie dentária era muito disseminada na seção modernizada de Stornoway. Já que uma parte importante desses estudos envolveu a determinação dos tipos e quantidades de alimentos consumidos, foi necessário visitar as fontes disponíveis para comprar alimentos em cada cidade estudada. Em Stornoway, era possível comprar bolo angel food cake, pão branco tão branco quanto aquele encontrado em qualquer comunidade no mundo, muitos outros produtos de farinha branca; também, marmeladas enlatadas, vegetais enlatados, sucos de fruta adoçados, compotas e doces de todos os tipos enchiam as janelas e balcões da loja. Essas comidas provavelmente exerciam uma grande atração por causa de sua variedade e de seu alto teor de açúcar para o paladar dessas pessoas primitivas. A diferença em aparência física das crianças de Stornoway daquelas do interior da Ilha de Lewis era marcante. Nós encontramos uma família na costa oposta da ilha onde os dois garotos que aparecem na metade superior da Fig. 6 residiam. Um tinha dentes excelentes e o outro tinha cárie rampante. Estes garotos eram irmãos que comiam à mesma mesa. O irmão mais velho, com dentes excelentes, ainda apreciava alimentos primitivos de farinha de aveia, bolacha de aveia e frutos do mar, havendo um pouco de laticínios em quantidades limitadas. O garoto mais novo, visto à esquerda, tinha cáries extensas. Muitos de seus dentes estavam faltando, incluindo dois na frente. Ele insistia em comer pão branco, compota, café muito doce e também chocolates. Seu pai me disse em profunda preocupação como era difícil para este garoto acordar de manhã e ir trabalhar.

Figura 6. Em cima: irmãos, Ilha de Harris. O mais novo à esquerda usa alimentos modernos e tem cárie rampante. Irmão à direita usa alimentos nativos e tem dentes excelentes. Note o rosto e arcada estreitos do irmão mais novo. Embaixo: cárie rampante típica, gaélico modernizado. Direita:dentes excelentes típicos de gaélicos primitivos.

Uma das tristes histórias da Ilha de Lewis tinha a ver com o rápido avanço recente da praga branca. A geração mais jovem da parte modernizada da Ilha de Lewis não apresenta a mesma resistência à tuberculose de seus ancestrais. De fato, um hospital especial foi construído em Stornoway para o número rapidamente crescente de pacientes tuberculosos, especialmente para garotas entre os vinte e trinta anos. O superintendente me disse com grande preocupação sobre a rapidez com que esta ameaça está crescendo. Aparentemente muito pouca atenção foi dada à mudança de alimentação como uma possível explicação para a falha desta geração em apresentar a defesa das gerações anteriores contra a tuberculose pulmonar. Em conexão a esta, muita culpa foi imposta às condições de moradia, foi pensado que a casa com telhado de palha, com seu ar carregado de fumaça era um importante fator de contribuição, apesar do fato de gerações anteriores serem livres da doença. Foi-me dito que a incidência de tuberculose era, freqüentemente, a mesma nas casas modernas e nas casas de telhado de palha. É de especial interesse observar a atitude mental dos nativos a respeito das casas de telhado de palha. Por vezes e mais vezes, nós vimos a nova casa construída junto à antiga, e as pessoas aparentemente vivendo na nova, mas ainda mantendo a fumaça atravessando a palha da antiga casa de telhado de palha. Quando eu questionei a respeito disto, foi-me dito por um dos inteligentes moradores que esta palha recolhia alguma coisa da fumaça que quando posta no solo dobrava o crescimento da plantas e a safra de grãos. Ele me mostrou, com profundo interesse, dois terrenos de grãos que pareciam demonstrar a validade de seu argumento.

Eu estava particularmente interessado em estudar os garotos e garotas em crescimento em um local chamado Scalpay na Ilha de Harris. Esta ilha é muito rochosa e tem somente pequenas áreas de terra para disponibilizar pastagens. Para alimentação, as crianças desta comunidade dependiam amplamente de mingau de aveia, bolacha de aveia e frutos do mar. Um exame dos garotos e garotas em crescimento revelou o fato que somente 1 % dos dentes examinados já haviam sido atacados por cáries. O desenvolvimento físico geral destas crianças era excelente, como pode ser visto na metade superior da Fig. 7. Note seus rostos amplos.

Isto entra em contraste marcante com as crianças do vilarejo de Tarbert, único porto de embarque na Ilha de Harris e local de exportação da maior parte da famosa Harris Tweeds, tecidos que são manufaturados nos teares nas várias casas dos arrendatários de terras. As crianças de Tarbert tinham uma incidência de 32,4 % de dentes cariados dentre os dente examinados. A distância entre esses dois pontos não passa de dez milhas (16 Km) e ambos têm igual facilidade de obter frutos do mar por estarem na costa. Somente o último, entretanto, tem acesso a alimentos modernos, já que abriga uma padaria de pão branco que fornece compotas, marmeladas e outros tipos de alimentos enlatados modernos. Estudando a tragédia que era a cárie rampante na boca de um jovem, eu perguntei a respeito de seus planos e ele disse que pretendia ir a Stornoway, distante aproximadamente sessenta milhas (97 km), em um futuro próximo, onde havia um dentista, para ter todos seus dentes extraídos e fazer uma dentadura. Ele disse que não adiantava colocar obturações nos dentes porque ele acabaria perdendo eles de qualquer jeito, já que esta era a experiência de todos em Tarbert. As mulheres jovens estavam em condições tão ruins quanto.

Figura 7. Em cima: típicas crianças gaélicas robustas, Ilha de Harris, vivendo de aveia e frutos do mar. Note a largura dos rostos e narinas. Embaixo: típicos gaélicos modernizados, Ilha de Bardsey. Note os rostos e narinas estreitos.

Através do departamento de inspeção dentária do norte da Escócia, descobri um lugar na Ilha de Skye, Airth of Sleat, no qual há somente poucos anos havia 36 crianças na escola e nenhum caso de cárie no grupo. Meu exame das crianças nesta comunidade revelou dois grupos, um vivendo exclusivamente de alimentos modernos e o outro de alimentos primitivos. Aqueles vivendo de alimentos primitivos tinham somente 0,7 % de dentes cariados, enquanto aqueles no grupo vivendo de alimentos modernos tinham 16,3 %, ou 23 vezes mais.

Esta comunidade vivendo próxima ao mar tinha sido recentemente conectada ao mundo exterior por serviços de barcos à vapor diários que entregavam às pessoas alimentos modernos de todos os tipos e dentro desta comunidade havia uma moderna padaria e uma casa de suprimento para compra de vegetais, compotas e marmeladas enlatados foi estabelecida. Este distrito estava justamente no processo de ser modernizada.

Eu examinei dentes de várias pessoas em seus setenta e oitenta anos e, com exceção de infecções de gengiva com algum afrouxamento dos dentes, aproximadamente todos os dentes estavam presentes e havia muito pouca evidência da existência de cáries. Os idosos lamentavam o fato de que a geração que estava crescendo não tinha a saúde das gerações passadas. Eu perguntei qual era a explicação deles e eles apontaram para dois moedores de pedra que eles disseram ter moído a aveia para bolachas de aveia e mingaus para suas famílias e para famílias anteriores por centenas de anos. Embora eles os valorizassem enormemente, o argumento de que eles seriam úteis em um trabalho educacional na América, levou-os a vender os moedores para mim. Eles nos contaram com grande preocupação sobre o rápido declínio recente na saúde dos jovens do distrito.

Esta, que já foi uma ilha bem populosa, a enevoada Ilha de Skye, ainda tem um dos melhores dos castelos antigos famosos, o pertencente ao clã Dunvegan. Ele fez parte da vida romântica do príncipe Charles. Os bens do castelo ainda ostentam a grandeza de uma glória passada. Dentre as relíquias está um chifre que mede o tanto a ser bebido por um possível líder antes que ele possa assumir a liderança do clã. Ele deve beber seu conteúdo de dois quartos de galão (1,9 litros) sem parar. Novamente o caráter de hombridade se reflete no fato de que embora um prêmio de trinta mil libras tivesse sido colocado pela cabeça do príncipe Charles, nenhum dos muitos que conheciam seu esconderijo traiu ele.

Em meu retorno das Hébridas Exteriores à Escócia, eu estava interessado em obter informações de oficiais do governo a respeito da incidência de cáries e de doenças degenerativas em várias partes do norte da Escócia. Foi-me informado que nos últimos cinquenta anos a altura média do homem escocês em algumas partes diminuiu quatro polegadas (10 cm) e que isto coincidiu com a mudança geral da alta imunidade à cárie dentária para uma perda de imunidade em grande parte deste distrito geral. Um estudo dos mercados revelou que grande parte da alimentação embarcava no distrito na forma de farinhas refinadas, bens enlatados e açúcar. Havia muito poucos rebanhos de gado leiteiro à vista. Foi explicado que mesmo o gado das áreas montanhosas não se dão tão bem quanto anteriormente nas mesmas áreas.

À medida que se vai do norte da Escócia em direção sul para a Inglaterra e o País de Gales, há um notado aumento nas porcentagens de indivíduos com restaurações ou que necessitam delas. Em muitas comunidades isto alcançava cinquenta porcento dos adultos acima dos trinta anos. Foi feito um esforço para encontrar pessoas primitivas no alto País de Gales, mas sem sucesso. Nos foi informado que provavelmente o único local que nós poderíamos encontrar pessoas vivendo em condições primitivas seria na Ilha de Bardsey após a costa noroeste de Gales. Esta é uma ilha cercada por rochas e tempestades, com as paredes decadentes de um velho castelo e uma comunidade formada amplamente por colonos recém trazidos que, nos foi dito, foram trazidos para repovoar a ilha. Há uma quantidade considerável de terra boa para cultivo, mas muito poucos animais de pasto. Anteriormente a ilha produzia os alimentos de seus habitantes com o auxílio do mar. Essas fontes de alimentos naturais foram amplamente substituídos por farinha branca, marmeladas, açúcar, compotas e bens enlatados importados. Nós julgamos a condição física das pessoas muito pobre, especialmente a dos garotos e garotas em crescimento. Cáries eram tão difundidas que 27,6 % dos dentes examinados nos garotos e garotas em crescimento já haviam sido atacados por cáries. Elas existiam até em crianças de três anos. De uma reunião com o diretor de saúde pública deste distrito eu descobri que a tuberculose constituía um problema muito grande, não somente para as pessoas desta ilha, mas para aqueles dos muitos distritos do norte do País de Gales. Isto era atribuído à baixa da defesa das pessoas devido a causas desconhecidas. Havia sido notado que indivíduos com cárie dentária rampante eram mais suscetíveis à tuberculose pulmonar.

Enquanto estava na Ilha de Bardsey, eu questionei quanto ao que eles achavam ser a causa da cárie dentária extensa tal qual a que encontramos e foi dito que eles estavam familiares com as causas e que era devido ao contato próximo com a água salgada e o ar salgado. Quando eu perguntei por que muitos dos mais velhos que viveram próximos ao mar por todas as suas vidas em alguns distritos ainda tinham praticamente todos seus dentes e nunca tiveram cáries, não havia uma explicação disponível. Esta, eles disseram, havia sido a razão que havia sido dada a eles em resposta aos seus questionamentos.

Há uma história memorável escrita nas ruínas da ilha e nos rostos das pessoas que vivem na ilha de Bardsey. As paredes reforçadas de castelos antigos revelam a glória e poder das pessoas que viveram orgulhosamente em séculos passados. Elas são atestadas também pelos monumentos nos cemitérios, mas uma nova era apareceu nesta ilha. O diretor de saúde pública deste distrito do País de Gales, incluindo a Ilha de Bardsey, me contou do declínio e quase completa extinção da população devido à tuberculose. Ele também contou como o governo repopulou a ilha com cinquenta jovens famílias saudáveis e então a triste história de como estes novos ocupantes sucumbiram tão rapidamente quanto os antigos ocupantes.

A fotografia embaixo na Fig. 7 é de uma família de quatro crianças em cujos rostos a história trágica está escrita profundamente. Todos respiram pela boca e todos têm cárie dentária rampante. Essas pessoas são produto da modernização nesta ilha que uma vez já produziu crianças vigorosas e homens e mulheres robustos. É importante comparar os rostos das crianças da Ilha de Bardsey mostrados embaixo na Fig. 7 com aqueles mostrados em cima na Fig. 7 que vivem em um distrito isolado na Ilha de Harris. Como veremos mais tarde, a deformidade facial não alcança sua severidade máxima até a erupção da segunda dentição e o desenvolvimento do rosto adulto, geralmente, dos nove aos catorze anos. Em casos de dano extremo, entretanto, nós a encontramos aparecendo no rosto infantil durante o período da dentição temporária ou de leite. Estas crianças irão, sem dúvida, ficar deformadas muito mais seriamente quando suas dentições permanentes e rostos adultos se desenvolverem. É de importância para nós manter estas imagens em mente quanto a sua relação à alta incidência de tuberculose à medida que lemos os capítulos seguintes e descobrimos o papel desempenhado pela modernização em derrubar as defesas dos indivíduos a processos infecciosos incluindo a tuberculose.

Na Fig. 6 (embaixo, à esquerda) está uma garota jovem da Ilha de Bardsey. Ela tem aproximadamente dezessete anos. Os dentes dela estavam arruinados por cáries, a doença envolvia até os dentes da frente. Nós comemos uma refeição na casa na qual ela vivia. Ela foi composta por pão branco, manteiga e compota, todos importados para a ilha. Isto entra em marcante contraste com a imagem da garota mostrada na Fig. 6 (embaixo, à direita) vivendo na Ilha de Lewis, na área central. Ela tem arcadas dentárias esplendidamente formadas e uma alta imunidade à cárie dentária. A dieta dela e de seus pais era mingau de aveia, bolacha de aveia e peixe, dieta que molda pessoas robustas. A mudança nas duas gerações foi ilustrada por uma pequena garota e seu avô na Ilha de Skye. Ele era resultado do velho regime e tinha por volta de oitenta anos. Ele estava carregando a colheita dos campos em suas costas quando eu o parei para tirar sua foto. Ele era caso típico do resultado de pessoa robusta que cresceu com alimentos nativos. Sua neta tinha narinas e rosto estreitos. As arcadas dentárias dela eram deformadas e seus dentes amontoados. Ela respirava pela boca. Ela tinha a expressão típica do resultado da modernização após os pais adotarem os alimentos do comércio moderno e abandonarem a bolacha de aveia, mingau de aveia e frutos do mar.

Figura 8 – Da esquerda à direita. Estes vasos de terra cultivando aveia continham quantidades decrescentes de palha-defumada. Somente o primeiro produziu grãos maduros. Isto está de acordo com a crença e prática dos gaélicos nativos.

Já que uma parte fundamental deste estudo envolve um exame da sabedoria acumulada dos grupos raciais primitivos, é importante que nos aprofundemos no assunto da palha defumada. Foi-me avisado pelos moradores antigos que havia um sério conflito entre eles e os oficiais de saúde que vinham de fora da ilha. Estes culpavam a fumaça pelo súbito desenvolvimento da tuberculose em forma aguda e eles insistiam que o antigo método fosse totalmente interrompido. Para este propósito, o governo deu assistência muito substancial na construção de casas novas e modernas. Os nativos mais experientes afirmavam que a safra de aveia não iria amadurecer naquele clima severo sem ser fertilizada com a palha defumada. Embora eles estivessem dispostos a se mudar para uma casa nova, eles não estavam dispostos a desistir de defumar a palha de aveia no telhado usada para preparar a fertilização do solo. Eu trouxe um pouco desta palha defumada comigo para análise química e para testar a influência no crescimento vegetal. Isto foi feito adicionando diferentes quantidades da palha defumada em uma série de vasos nos quais sementes de aveia foram plantadas. Na Fig. 8 é visto o resultado. O vaso à direita mostra o resultado de plantar a aveia em um solo arenoso quase como aquele das ilhas das Hébridas Exteriores. As aveias somente cresceram até a condição limitada e imprecisa mostrada. À medida que quantidades  maiores desta palha foram adicionadas ao solo, houve um aumento na robustez das plantas de tal modo que no último vaso à esquerda, caules altos se desenvolveram lotados de grãos que amadureceram no momento que acontece o crescimento mostrado nos outros potes. A análise química da palha mostrou que ela continha uma quantidade de nitrogênio fixado e outros componentes químicos resultantes da fumaça de turfa circulando pelo telhado. Isto explica a confiança dos robustos nativos antigos que insistiram que fosse permitido continuar a defumar a palha mesmo que eles não vivessem na casa.

Um programa de alimentação capaz de criar homens e mulheres vigorosos e garotos e garotas robustos é suprido aos residentes dessas áridas ilhas, com suas costas varridas por ventos e tempestades, por uma dieta de aveia usada como bolacha de aveia e mingau de aveia, junto com pescados, incluindo órgãos e ovas de peixe. Uma linhagem seriamente degenerada se seguiu à substituição desta dieta por uma típica dieta moderna constituída por pão branco, açúcar, compotas, caldas, chocolate, café, um pouco de peixe mas não o fígado deste, vegetais enlatados e ovos.

Esta entrada foi publicada em Nutrição e Degeneração Física. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Capítulo 4 – Gaélicos Isolados e Modernizados

  1. ALBERTO GIOVANNI FIASCHITELLO disse:

    Na verdade, extraordinária pesquisa!!! Agradeço ao tradutor do texto, ao idealizador do site e ao Sr. Weston A. Price (provavelemente falecido) pela oportunidade de conhecer tais fatos e poder refletir tendo bases inteligentes pré-formadas pelo autor.

  2. ALBERTO GIOVANNI FIASCHITELLO disse:

    Belo artigo! Lerei outros mais e indicarei a mais pessoas. Obrigado pela oportunidade.

  3. muito gostari eu de ser participnte do bom que eres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *