Carta sobre a Corpulência – Prefácio

Ver Sumário do Livro Carta sobre a Corpulência.

Prefácio da Quarta Edição

Não é com pouco orgulho e satisfação que eu ouso publicar uma quarta edição de minha Carta sobre a Corpulência, na esperança e crença que ela possa ainda mais interessar e beneficiar o público. As edições anteriores foram compostas e lançadas com todo tipo de defeito e deficiência evidentes de minha total inabilidade de fornecer qualquer evidência substancial do mérito e utilidade do programa além de minha própria e breve experiência pessoal. Cinco anos agora se passaram desde que a terceira edição foi publicada. Ela, com muita alegria, obteve uma circulação mundial e me proporcionou um enorme prazer e gratificação, advindos da convicção de que eu fui o meio de trazer para consideração e discussão pública uma das pouco conhecidas e muito negligenciadas leis da natureza. A popularidade de meu folheto despretensioso se manifesta não somente na surpreendente venda de não menos de 63.000 cópias somente neste país, mas pela sua tradução em línguas estrangeiras e sua grande e rápida circulação na França, Alemanha e nos Estados Unidos. Somando-se a isto, eu recebi quase 2.000 cartas muito admiradas e agradecidas de todos os cantos do mundo. Continue lendo

Publicado em Carta sobre a Corpulência | Deixar um comentário

Carta sobre a Corpulência – Sumário

Carta sobre a Corpulência
Endereçada ao Público

Por
William Banting

Quarta Edição
1869

Sumário

Prefácio da Quarta Edição
Corpulência

Veja mais posts sobre Carta sobre a Corpulência.

Publicado em Carta sobre a Corpulência | 2 comentários

Carta sobre a Corpulência (Letter on Corpulence) – William Banting

Temos o prazer de apresentar a primeira tradução para português do primeiro livro de dieta popular já escrito: Carta sobre a Corpulência, Endereçada ao Público (Letter on Corpulence, Addressed to the Public) de William Banting, cujo original data de 1863. A edição apresentada é a quarta edição por ser a última e mais completa.

Banting foi um agente funerário inglês que com 66 anos e 1,65 m pesava 91,6 Kg. Ele não tinha histórico de obesidade na família e por 20 anos tentou em vão perder peso consultando diversos médicos e seguindo todo tipo de orientação recomendada, mas nada funcionava e ele continuava a ganhar mais peso e sua saúde a piorar. Como estava perdendo a audição, decidiu consultar mais um médico e, para a sua sorte, o mesmo explicou que seus problemas eram devido a obesidade e recomendou uma determinada alimentação, a qual Banting seguiu rigidamente, perdeu peso e todos os seus problemas de saúde sumiram.

Nesta quarta edição ele afirma ter perdido 22,7 Kg no total, sendo que 20,9 Kg destes nos 12 primeiros meses, com a sua alimentação que classificamos como uma dieta de baixo carboidrato (low-carb). Na época, seu livro foi traduzido em diversos idiomas, gerou debates internacionais e seu nome virou sinônimo de dieta nos Estados Unidos (dando origem ao verbo “to bant”) e em outros países. Esperamos que apreciem o esforço e aproveitem a leitura.

Carta sobre a Corpulência – Sumário

Veja mais posts sobre Carta sobre a Corpulência.

Publicado em Carta sobre a Corpulência | 1 comentário

Capítulo 8 – Polinésios Isolados e Modernizados

Ver Sumário do Livro Nutrição e Degeneração Física.

Capítulo 8
Polinésios Isolados e Modernizados

As características da raça polinésia incluem: cabelo liso, feições ovais, uma natureza leve, alegre e físicos esplêndidos. Quando as ilhas do pacífico foram descobertas, os polinésios foram encontrados habitando as Ilhas Havaianas, as Ilhas Marquesas, o grupo Tuamotu incluindo o Taiti, as Ilhas Cook, as Ilhas Tongan e o grupo Samoan.

O primeiro grupo estudado era formado de pessoas das Ilhas Marquesas, que estão situadas a 9 graus sul de latitude e 140 graus oeste de longitude, aproximadamente 4.000 milhas (6,4 mil km) a oeste do Peru. Poucos, se é que algum, dos grupos raciais primitivos das Ilhas do Mar do Sul foram tão entusiasticamente exaltados pela sua beleza e excelente desenvolvimento físico pelos antigos navegadores. Hoje, a cárie dentária predomina. Eles relataram os marquesanos como sendo pessoas vívidas e felizes, em números de mais de cem mil nas sete principais ilhas deste grupo. Provavelmente em poucos lugares do mundo pode-se encontrar uma imagem tão dolorosa quanto a encontrada aqui. Um oficial do governo francês me disse que a população nativa havia diminuído para aproximadamente duas mil, como resultado principalmente da devastação pela tuberculose. Sérias epidemias de varíola e sarampo, por vezes, cobraram um preço alto. Em um grupo de aproximadamente cem crianças e adultos, eu contei dez que estavam muito magras e tossindo com sinais típicos de tuberculose. Muitos estavam esperando por tratamento em um consultório oito horas antes do horário de abertura. No passado, alguns dos nativos tinham corpos esplêndidos e belos semblantes e algumas das mulheres tinham belas feições. Eles são agora um grupo primitivo doente e moribundo. Um navio de troca estava no porto trocando farinha branca e açúcar pela copra deles. Eles haviam, em grande parte, parado de depender do mar para comida. Cárie dentária era rampante. À época do exame, 36,9 % dos dentes das pessoas usando alimentos permutados, em conjunto com plantas terrestres e frutas, haviam sido atacados por cáries. Os indivíduos vivendo totalmente de alimentos nativos eram poucos. Alguns dos antigos navegadores ficaram tão impressionados com a beleza e saúde dessas pessoas que eles relataram as Ilhas Marquesas como o Jardim do Éden.

Continue lendo

Publicado em Nutrição e Degeneração Física | 1 comentário

Capítulo 7 – Melanésios Isolados e Modernizados

Ver Sumário do Livro Nutrição e Degeneração Física.

Capítulo 7
Melanésios Isolados e Modernizados

Já que a nossa tarefa era reunir dados para lançar luz sobre a causa da degeneração física moderna entre os grupos raciais humanos em várias partes do mundo, tornou-se necessário incluir nos estudos vários grupos vivendo nos climas quentes e úmidos dos trópicos. Novamente foi desejável obter contato com grupos altamente isolados e, assim, relativamente primitivos para comparação com grupos modernizados do mesmo grupo racial. De modo a realizar isto, foi feita uma expedição em 1934 para oito arquipélagos do Pacífico Sul para estudar grupos de melanésios e polinésios. Os melanésios descritos aqui viviam em Nova Caledônia e nas Ilhas Fiji.

Se os fatores que causam as degenerações físicas da humanidade são praticamente os mesmos em qualquer lugar, deveria ser possível encontrar uma causa comum em ação, independente de clima, raça ou ambiente.

Continue lendo

Publicado em Nutrição e Degeneração Física | Deixar um comentário